Atenção e concentração são faculdades que, quando treinadas, se fortalecem e expandem oferecendo abertura para escutar, e não apenas ouvir, ver e não só enxergar. Elas qualificam nosso modo de ser e estar no mundo, daí o fato de todas as culturas desenvolverem técnicas consideradas indispensáveis para familiarizar o ser humano com sua interioridade e com aquilo que está no entorno.

A meditação é o fruto da atenção e da concentração, da capacidade de manter um foco e de criar interesses além dos utilitários e de satisfação imediata. É o cultivo de um saber inerente, de um espaço interno que naturalmente aspira à auto-expressão do seu potencial.

Na sociedade secular em que vivemos as práticas meditativas ganharam visibilidade e reconhecimento a partir de 1990, quando programas de pesquisa científica evidenciaram os benefícios que proporcionavam: a diminuição da ansiedade, do nível de estresse, do déficit de atenção, da depressão, da insônia, de desordens psicossomáticas e dores crônicas. As contribuições à saúde integral são hoje inquestionáveis.

Contudo, é importante destacar que o cultivo da atenção e da meditação nas culturas tradicionais tem o propósito de ampliar a percepção de si mesmo, da realidade na qual estamos imersos e do poder dos valores que atuam na “leitura” dos fatos.

Além desse propósito, familiarizar-se com o próprio repertório de emoções, pensamentos e sensações cria um espaço de governabilidade interna que resulta na experiência de liberdade.

As práticas meditativas são uma expressão da espiritualidade que, nas diferentes culturas, apontam ao sagrado, ao inefável e à incessante busca de significado.

Para sair da reatividade, do piloto automático, faz-se necessário cultivar um estado de presença que se auto-percebe, percebe os outros e o contexto em que se encontra – os 3 focos. Essa atenção dinâmica se fortalece e expande através de práticas sistematizadas em três categorias: focada, periférica e seletiva. Técnicas com base nos sentidos e shamatha: “permanecer na calma”; além de técnicas com base na investigação ou vipashyana e nas virtudes do coração, como bondade amorosa, compaixão, alegria empática e altruismo.

Datas e horários Das Aulas 

Aulas semanais às quintas-feiras de 20:15h às 21:00h

Local

Sarvananda Casa de Yoga – São Carlos/SP

Maiores informações e inscrições

Maria Avelar Guimarães e equipe
pelo e-mail: mariavelaryoga@gmail.com

Um abraço.
Namastê.
Maria Avelar Guimarães